advertorial

Uma conversa urgente

os sites que você acessa, os vídeos aos quais assiste e as pesquisas que realiza estão para se tornar de conhecimento público, a menos que você faça algo a respeito agora mesmo

Caro internauta,
Nossos analistas de segurança da informação preveem que mais de 95% das pessoas, em todo o mundo, terão os históricos de navegação expostos nos próximos anos. E as chances são que você seja uma delas.
Preciso lhe contar sobre como e onde isso está para acontecer. Por favor, leia esta Carta Aberta que estamos enviando ao mercado, pois a sua privacidade — mais que nunca — depende disso.

A mudança dos dados críticos

Mesmo sem lhe conhecer, posso dizer — com pouca margem para dúvida — que seu nome completo, CPF, email, número de telefone e endereço já constam em vazamentos públicos.
O número de CPFs vazados é maior do que o número de brasileiros vivos. Ou seja, quase a totalidade dos brasileiros vivos e mais alguns que já até morraram tiveram seus dados vazados.

Há alguns anos, esses dados eram considerados dados críticos, sensíveis.
Com eles, pessoas mal intencionadas faziam compras em seu nome, usavam seu cartão de crédito na internet.

Mas essa realidade mudou. As empresas de segurança da informação começaram a disponibilizar anti-fraudes muito eficientes ao mercado e, hoje, 97,2% de todas as transações online são monitoradas por tecnologias capazes de impedir compras fraudulentas.

A medida que os dados críticos foram perdendo utilidade para a fraude, o valor comercial desses dados caiu.
Estima-se que no início dos anos 2000, os dados de cada pessoa valia algo perto de 5 dólares, no mercado negro. Hoje, valem — quando muito — 0,001 dólar.
Cinco mil vezes menos!

Acontece que, nos últimos anos, um novo tipo de captura e vazamento de informações começou a se tornar tendência no mundo.
Os dados de provedores!
Por lei, em quase todos os países, os provedores de internet precisam armazenar por um ano — e de forma catalogada — todos os dados de navegação de seus usuários.

Provedores têm muitas falhas no gerencimento desses históricos. Falhas como: (1) o número extremamente elevado de funcionários que podem acessá-los e (2) e a permissão de pen-drives dentro das empresas.
É muito fácil que um funcionário insatisfeito ou que tenha sido subornado saia com esses históricos de dentro das companhias e contribuam para vazamentos em massa.

Ao mesmo tempo, os criminosos virtuais têm percebido que o novo dado crítico é aquele que causa constrangimento.
Enquanto dados para fraude perdem valor, dados capazes de constranger usuários crescem de valor de forma assustadora.

Nossos analistas têm mapeado o crescimento dessa tendência mundo afora e ela é ainda mais veloz que a tendência de vazamentos de dados para fraude que começou no início dos anos 2000.
Projetamos que nos próximos 5 anos essa tendência já terá varrido o mundo e criado danos irreparáveis a reputação das pessoas.

As redes criptografadas

Ninguém pode impedir que seus dados sejam expostos, mas podemos impedir que — no momento da exposição — exista algum dado constrangedor.
Recomendamos aos nossos clientes que, toda vez que quiserem fazer um uso privativo da internet, ativem nossa Rede Criptografada.
Usá-la é muito simples, basta um clique em nosso aplicativo e, com ela, seu provedor não consegue saber o que você está acessando. Sabe apenas que você está se conectando a um servidor privado. E o site de destino não sabe quem está acessando, sabe apenas que o acesso veio de nossa rede.
E, ao contrário dos provedores, as Redes Criptografadas não salvam os dados de navegação.

A Basker possui uma das maiores estruturas do mundo para Redes Criptografadas, com mais de 4.500 servidores espalhados por 57 países. O que lhe garante navegação de alta velocidade, por um baixo custo (R$16,90 ao mês).

Para conhecer a Rede Criptografada da Basker e ter uma navegação invísivel, clique no botão abaixo:

CONTATO

0800 202 0175

suporte@baskersecurity.com